segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

IBGE divulga nova tabela de expectativa de vida









O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística divulgou agora no início de Dezembro os novos números da expectativa de vida e com isso quem se aposentar a partir desse mês irá ter o benefício previdenciário ainda mais reduzido.

Esse número da expectativa de vida é utilizado na fórmula do Fator Previdenciário, e com o aumento desse número, aumentou também a redução nas aposentadorias.

Essa redução em relação a tabela anterior não deve chegar a um por cento. Por exemplo, um homem com 35 anos de contribuição e 60 anos de idade, deverá ter uma perda em torno de 0,7% a mais, ou seja, em uma média de salário de R$2.000 reais. ele deve perder uns 14 reais a mais do que perderia antes.

A nova tabela pode ser conferia acessando o link abaixo
http://www010.dataprev.gov.br/cws/contexto/conrmi/tabES.htm

5 comentários :

ALCIDES DINEI CAMILLO disse...

COM RESPEITO A INDEXAÇÃO DA EXPECTATIVA DE VIDA AO FATOR PREVIDENCIÁRIO- É UMA FALTA DE RESPONSABILIDADE SEM PRECEDENTES DA ADMINISTRAÇÃO POLITICA BRASILEIRA (GOVERNO E CONGRESSO NACIONAL) EXPECTATIVA DE VIDA, QUER DIZER O QUE? - QUE O INDIVIDUO PODE VIVER ATÉ TANTOS ANOS, ENTÃO NESTE CASO SÃO PREVILEGIADOS OS QUE OSTENTAM ÓTIMA SAÚDE E CONDIÇÕES PARA TAL, ESTA É A MESMA POLITICA DE ADOLF HITLER QUE DIZIMOU OS MAIS FRACOS EM FAVOR DE UMA CLASSE MAIS SAUDÁVEL, É ENGRAÇADO QUE ESTAS ABERRAÇÕES SÃO UTILIZADAS SÒMENTE EM PREJUÍZO DOS QUE RELAMENTE TRABALHAM E SUSTENTAM O PAÍS, DEIXANDO DE LADO NO CASO RURAL DE PESSOAS QUE NUNCA TRABALHARAM NA LAVOURA E POR INTERMÉDIO DE DUAS TESTEMUNHAS FICTÍCIAS SE APOSENTAM POR IDADE E NA PREVIDÊNCIA DO SETOR PÚBLICO ONDE SE TRABALHA MUITO POUCO EM COMPARAÇÃO AO SETOR PRIVADO E TEM-SE UM MELHOR SALÁRIO E MUITO MAIS BENEFÍCIOS COMO OS FUNDOS DE APOSENTADORIAS E PENSÕES- SDS - CAMILLO

Mr. Prev disse...

Descordo da parte do setor publico trabalhar menos, no setor publico existem os mesmos cargos do setor privado como atendentes, pedreiros, engenheiros. Hoje ha muita cobranca e no setor federal muitos trabalham com indices de produtividade. Em relação a beneficio não ha FGTS, aposentadoria por invalides no governo federal é proporcional ao tempo que trabalhou, a nao ser emc aso de acidente de trabalho. Exemplo: Ganha 10 mil sofre um acidente e fica invalide logo no inicio da carreira. Vai ser aposentado com um salario minimo.
Nos casos das "fundos de pensoes" sao contribuitivas, e o do setor privado pode fazer um no banco tambem.

Ou seja a unica vantagem mesmo é a estabilidade, o resto vai depender do do cargo e de onde trabalha.
Agora em relação ao fator eu sou contra tambem, sou a favor desse novo que estao votando(faotr 85/95) ja que pedir aposentadoria com menos de 50 anos tambem não concordo, ninguem para de trabalhar nessa idade.

Charles Dickens disse...

Bem vindos à maravilha do capitalismo e do Estado liberal!... Neste tipo de organização política e de produção da vida, há muita liberdade para os ricos se tornarem ricos e perpétuos. Os pobres também são livres para trabalharem e construírem a riqueza dos ricos e morrerem o mais depressa possível, quando se tornam inúteis aos donos do capital... Um conselho: enquanto nós trabalhadores, dos setores público e privado, nos digladiamos para saber quem tem a melhor (ou a pior) condição de vida, auto sectarizados, os ricos deitam e rolam... Há um recado clássico aos trabalhadores, que hoje faz cada vez mais sentido: "uní-vos!". Me sinto enojado quando vejo a impressa alardear que os "sangue azuis" ganham muito mais que os trabalhadores da iniciativa privada - embora a mídia não seja um instrumento a favor do trabalhador. Agora quando um trabalhador começa a discutir a cor do sangue do outro, fico triste porque aqueles - quem nem sei a cor do sangue - nos vencem sem que nem mesmos iniciemos uma batalha contra nosso inimigo comum. Antes de iniciarmos uma verificação da cor do nosso sangue, peguem amostras do sangue do Eike Baptista, do André Esteves, Jorge Gerdau, Marcelo Odebrecht, etc...

Joao Carlos da Silva disse...

Alcides Dinei e Charles Dickens (apesar de não se identificar, farei referencia também ao Sr Mr. Prev. apesar de saber que deve ser "algum servidor da Previdência Social", e para se resguardar não quis se identificar). Bom Caros Senhores, muito oportuno os comentários de V. Sas., pois como ex funcionário do INSS (25 anos de serviço público e hoje na área privada, com escritório autônomo de Serviços Previdenciários/INSS - Benefícios em geral) bem sei da amargura que o Fator tem trazido ao trabalhador/assalariados.
A briga entre nós é realmente desnecessária e temos mesmo que nos unir, pois o FHC juntamente com o Sr Luiz Inácio Lula da silva (que antes adorava os trabalhadores)ferraram aquele que dá o seu suor pelo Pais [e pelos mais abastados...(diga-se ricos/capitalistas)].
O FATOR é o "FdP" que reduz os salários e premia aqueles que pouco trabalham (uma quantidade muito pouca de "funcionários públicos") e de alguma forma aqueles que conseguem trabalhar até próximo dos 60 anos, pois aí o "desconto" do fator é quase nulo.
Seria balela dizer que temos que pressionar sindicatos e Congressistas, vez que a discussão já está no SUPREMO, e o Governo não vai largar o "osso", pois com a instituição do Fator em 1999 muito se economizou na Previdência Social (como arrecadam...), e jamais esse órgão quebrará, nem ontem corria o risco e muito menos hoje.
Vejo com maus olhos tudo isso aí, e mesmo que substitua o FP atual com a RAZÃO 85/95, o trabalhador deverá trabalhar mais alguns anos, superando os 35 anos e chegando perto dos 60 anos. É claro que cada caso é um caso, pois nem todos possuem 35 anos de tempo aos cinquenta anos de idade, no caso de homens.
Analisem comigo: Caso concreto de minha pessoa - possuo 50 anos e já tenho 35 anos de tempo de contribuição: Somando-se chego a 85 anos, restando 10 anos para os 95 anos exigíveis. Como será preciso mais 5 (cinco) anos (pois se continuar contribuindo por 5 anos, ficarei também mais velho por cinco anos), logo, daqui a cinco anos terei 40 (QUARENTA) anos de contribuição e a idade de 55 (CINQUENTA E CINCO) anos, para escapar da mordida do fator, que no meu caso seria próximo de 40%.
Minha média de salários desde 07/94 seria de R$ 3.400,00, e a perda atual próximo a R$ 1.360,00, cuja renda mensal seria de R$ 2.040,00/mês.
Analisando custo x benefício, poderia dizer que em 5 anos (60 meses + 6 parcelas décimo terceiro) que receberia da Previdência Social me renderia R$ 134.640,00, e mais o valor que eu deixaria de contribuir (20$ como autônomo)que seria R$ 780,00 x 6 = 46.800,00 (renderia um total de R$ 181.440,00).
Sabe-se que a expectativa é um ENGODO, pois na minha faixa etária - duvido muito - NÃO VIVEREMOS tanto como NOSSOS PAIS (até parece a música da Elis Regina), pois meu saudoso pai chegou aos 80 (oitenta).
RESUMINDO: Prefiro um pássaro na mão que dois voando...
Esse é o meu ponto de vista.
Sobre o valor acima - montante de R$ 181.440,00 - adicionaria ainda o meu ganho que continuará até os 55 anos ou até mais caso a longevidade me permita com as bençãos de Deus.
Particularmente, vejo que esperar mais pode não ser uma boa, pois TRABALHAR TODOS NÓS CONTINUAREMOS depois de se aposentar....

Um abraço e foi bom trocar figurinhas diante de seus argumentos, que digo, foram providenciais, inclusive do MR PREV, que respeito seu ponto de vista, e sei que o serviço público tá uma exigência sem tamanho, de produtividade e até "vigilância corpo a corpo" (só ainda não colocaram CARTÃO DE PONTO, mas têm os(as) supervisores(as) P.S.(interpretem esse P.S. como queiram ...rs rs rs)... Sem valorização pelos Servidores e nenhum respeito do Governo, as coisas tendem a piorar... Eis o motivo de minha saída, desde 2005.
Abraços a todos
JOAO CARLOS DA SILVA - ANDRADINA SP
jotace.silva@ig.com.br ou MSN: jotacesilva17@hotmail.com

Mr. Prev disse...

Belo texto!
que deve ser lido com muita atenção pela pessoas e analisados, caso a caso.
De forma geral, não acredito que seja interessante aceitar as perdas do fator acreditando que nao se va viver mais "cinco anos", mas tenho certeza que para muitos podem ser um caso interessante.

Para quem tem um "negócio proprio" como voce, e podera leva-lo ate a "morte", pode ser interessante receber esses 181 mil reais, a questao é para quem é empregado e quando parar vai viver so do INSS, sera que nao seria melhor abrir mao dessa "bolada" e ter uma renda mensal maior?
Ate porque, com certeza esses 181 mil reis se acabara rapidamente, poucos tem a visao de investir para colher no futuro. Esses 181 mil na mao da grande maioria ira virar um carro zero na garagem, viagem, reforma da casa que nem esta tao ruim assim, carro para o filho, e por ai vai.

E em relação ao cartão de ponto, ele ja esxiste!!!!
rsrsrs
Ponto eletronico, o famoso SISREF